Pintacar
ABC das Construção
Avance
Real Supermercados
Santa casa - Campo Belo/MG
Drogaria Líder Saúde
Empório VSN +
Boa Esperança/MG

Médico suspeito de matar tia com injeção letal dentro de hospital em Boa Esperança/MG é solto

Carlos Roberto Naves Moraes, de 72 anos, saiu do presídio da cidade no início da noite desta quinta-feira (4) após conseguir um habeas corpus.

05/07/2019 18h01
Por: Hudson Barbosa
Redes Sociais
Redes Sociais
PUBLICIDADE

O médico suspeito de matar a tia com uma injeção letal dentro de um hospital de Boa Esperança (MG) saiu do presídio da cidade na noite desta quinta-feira (4). Carlos Roberto Naves Moraes, de 72 anos, foi liberado após a Justiça conceder um habeas corpus.

Carlos estava preso desde o dia 13 de junho. Ele negou o crime e disse à polícia que acompanhava a saúde da tia, que ela era alérgica a uma medicação e que os médicos que atenderam o caso podem ter aplicado por engano a dose e causado a morte.

Segundo a Polícia Civil, o inquérito já foi finalizado no dia 25 de junho. O suspeito foi indiciado foi homicídio qualificado.

A defesa do médico espera o resultado do laudo de necropsia para comentar o caso. O laudo tem o prazo de até 30 dias para ser finalizado e deve ser encaminhado à Justiça.

PUBLICIDADE

O caso

Segundo a polícia, a tia do médico, América Moscardini, de 78 anos, deu entrada no pronto-socorro da Santa Casa de Boa Esperança um dia antes, com problemas respiratórios. Ela foi atendida e estabilizada. Menos de uma hora depois, o estado de saúde se agravou e a idosa morreu.

Segundo testemunhas, o médico pediu para ficar sozinho com a vítima antes da morte. A polícia passou a tratar o médico como suspeito após ouvir funcionários do hospital, que desconfiaram de atitudes suspeitas.

Os policiais encontraram uma seringa com restos de cloreto de potássio e caixas de relaxante muscular no lixo de um banheiro. Esses medicamentos seriam letais.

Ainda conforme a polícia, um exame de sangue feito em América mostra que ela já chegou no hospital com alto índice de potássio no sangue. O exame indicava um pouco mais de 6 e, depois da morte, o exame já indicava um nível com mais de 8.

PUBLICIDADE

Investigações

Nas análises das imagens das câmeras de segurança, a polícia identificou o momento que o médico segue para a farmácia e sai com medicamentos. Imagens divulgadas pela polícia dias depois mostram o momento que ele revira o lixo do hospital.

A Prefeitura de Boa Esperança, responsável pela administração da Santa Casa, na época da prisão, informou que afastou o médico de todas as atividades. O Conselho Regional de Medicina informou que aguarda o fim do processo, mas que o médico segue com o registro regular.

A polícia ainda investiga se o médico tem envolvimento com mais duas mortes. Após a repercussão do caso, várias pessoas começaram a relatar para a polícia ações parecidas, que foram consideradas suspeitas.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários