Prefeitura de Campo Belo
Pintacar
Empório VSN +
Drogaria Líder Saúde
Real Supermercados
RASTREK
Santa casa - Campo Belo/MG
ABC das Construção
Educação

MEC lança aplicativo para emitir carteirinha digital

A nova identidade estudantil é gratuita para o aluno e dá direito à meia-entrada em shows, teatros e outros eventos culturais e esportivo

26/11/2019 10h48
Por: Hudson Barbosa
Fonte: Correio Brasiliense
Publicidade

A identidade estudantil digital começou a ser emitida nesta segunda-feira (25). O lançamento oficial ocorreu na sede do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Na ocasião, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, e o diretor de Tecnologia e Informação do MEC, Daniel Rogério, apresentaram o aplicativo.

A nova carteirinha garante ao aluno o benefício de meia-entrada em shows, teatros e outros eventos culturais e esportivos, sem que isso gere um custo extra. Para isso, o estudante deve estar cadastrado no Sistema Educacional Brasileiro (SEB) — banco de dados nacional de estudantes do Ministério da Educação (MEC) — e baixar o aplicativo nas lojas virtuais de celular.

O custo por cada carteira emitida será de R$ 0,15 para o governo. O ministro da Educação, Abraham Weintraub, garantiu que com o novo programa do governo, o custo total será de R$ 12 milhões. Weintraub afirma que é melhor do que ocorria antes, pois, segundo ele, se mais da metade dos estudantes do Brasil emitissem carteirinhas pelos moldes antigos, o valor seria “superior a R$ 1 bilhão, quase próximo a R$ 2 bilhões”.

Publicidade

Antes, com base em lei de 2013, a distribuição de documentos que garantem a meia-entrada para estudantes era feita exclusivamente pela União Nacional dos Estudantes (UNE) e pela União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes).

As entidades cobram R$ 35 pela carteira, além do frete, sua principal fonte de recursos. Weintraub destacou que os alunos que quiserem manter a carteirinha tradicional poderão solicitá-las junto às instituições e pagar o valor pedido, sem limite estipulado pela pasta.

A ID estudantil poderá ser emitido oficialmente pela Associação Nacional de Pós-Graduandos, União Nacional dos Estudantes (UNE), União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e no próprio portal do MEC.

Publicidade

De acordo com o MEC, o aplicativo reduzirá a burocracia. A identificação nos eventos será por meio de leitura de QR Code, localizado abaixo da foto da pessoa no app.

O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) é parceiro na inciativa, com o cruzamento de dados para evitar fraudes. As outras entidades poderão continuar emitindo a carteirinha, mas a do MEC é sem custo para os estudantes. 

“Não tem condição de falar se tem [fraude] ou não tem. Não tem controle nenhum. Não tem transparência”, declarou."Acho que todos os estudantes vão aderir. Será uma forma de prever fraudes, que hoje a gente não tem controle.

Eu acredito na racionalidade do ser humano, que ele vai preferir um negócio bom e mais barato", disse Weintraub. A identificação nos eventos será feita por leitura de QR Code, localizado no aplicativo logo abaixo da foto da pessoa.

Publicidade

Cadastro e identificação 

Para estudantes de 18 anos ou mais, a identificação no aplicativo será realizada a partir de uma fotografia tanto do próprio rosto quanto da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) ou da Carteira de Identidade (RG) para comparação das imagens.

Toda a identificação será feita pelo Cadastro de Pessoa Física (CPF), informado pelo representante da instituição no SEB, e pelo login único do governo, no site gov.br, onde constam diversos servidos do governo federal.

No caso de estudantes menores de idade, será necessário que o responsável legal pelo aluno baixe o aplicativo e permita que o jovem tenha acesso. A partir daí, o estudante poderá fazer o download da ID Estudantil.

O cadastro no novo documento, previsto na Medida Provisória 895/2019, assinada pelo presidente Jair Bolsonaro, é feito pela instituição de ensino, pública ou particular, que deve enviar as informações dos alunos para o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que abastecem o SEB, o banco de dados do MEC. A instituições devem informar CPF, data de nascimento, curso, matrícula e o ano e semestre de ingresso dos estudantes.

Publicidade

Os estudantes interessados na carteirinha devem cobrar a instituição de ensino em que estudam. Os alunos podem conferir se a instituição repassou os dados ao sistema no site idestudantil.mec.gov.br.

No site também é possível encontrar respostas para as principais dúvidas, além de dicas para os estudantes na hora de fazer a carteirinha.

Ao optar pela carteirinha digital, assim como nas versões físicas e digitais atuais, os estudantes aceitam o compartilhamento de dados pessoais e cadastrais com o MEC. A pasta garante que o acesso às informações será realizado com segurança, com o intuito de que o Ministério da Educação possa “criar soluções de políticas públicas com relação ao sistema de ensino no país”.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários